D.com - Dicionário de comunicação social

Nosso Dicionário de Comunicação Social On-Line - D.Com tem a finalidade de acumular todas as terminologias úteis e jargões das áreas de jornalismo, publicidade e propaganda, relações públicas e comunicação social, além de neologismos que surgiram com o advento da internet e das novas tecnologias. Por isso, está em constante atualização e aprimoramento.

para a tag "história da imprensa"

Imprensa Alternativa (Nanica)

Ou underground, nanica, clandestina. Publicação periódica, caracteriza-se por contestar a cultura oficial, os métodos e práticas empresariais do jornalismo estabelecido, os padrões vigentes (da linguagem à publicidade). Adquire expressão de movimento jovem nos anos 60 e 70, tornando-se mais influente nos Estados Unidos e na Europa. Abrange jornais a lápis, jornais e revistas mimeografados, histórias em quadrinhos, posters, jornais de escolas e bairros, boletins políticos radicais, folhas sobre sexo e assuntos pop, tendo por característica comum a rejeição da sociedade.

(clique no título/link para ver a aula/definição completa)

Penny Press

Foi no século XIX que a imprensa popular surgiu e se desenvolveu, diferenciando-se do modelo do jornalismo até então político e de ideias (partisan press). O conceito “penny press” surgiu nos Estados Unidos com a criação de jornais maioritariamente noticiosos, politicamente independentes, baratos (custavam um centavo, ao contrário dos outros que custavam por volta de seis centavos) e com um discurso acessível e direcionados para as pessoas comuns.

(clique no título/link para ver a aula/definição completa)

Pirâmide Invertida

Técnica de redação na qual a disposição das informações é feita em ordem decrescente de importância. As informações mais importantes são posicionadas no primeiro parágrafo, o lide. Em seguida são colocada as de interesse intermediário e por fim as menos importantes. O termo pirâmide invertida é utilizado porque a base desta, aquilo que é noticiosamente mais importante, se encontra no topo. É utilizada para facilitar o ajuste da matéria no fechamento da edição, caso seja necessário cortar parágrafos, além de que, nela, o leitor pode interromper a leitura onde desejar.

(clique no título/link para ver a aula/definição completa)

Reforma gráfica e editorial do Jornal do Brasil

A reforma gráfica e editorial do Jornal do Brasil nos anos 1950 foram marcantes na história do jornalismo impresso no país, criando uma tendência copiada por praticamente todos os jornais do país e que é comum até hoje, tornando o Jornal do Brasil novamente numa referência nacional.

(clique no título/link para ver a aula/definição completa)