D.com - Dicionário de comunicação social

Nosso Dicionário de Comunicação Social On-Line - D.Com tem a finalidade de acumular todas as terminologias úteis e jargões das áreas de jornalismo, publicidade e propaganda, relações públicas e comunicação social, além de neologismos que surgiram com o advento da internet e das novas tecnologias. Por isso, está em constante atualização e aprimoramento.

Intertextualidade

Criação de um texto a partir de outro pré-existente. Pode apresentar funções diferentes, que dependem muito dos textos/contextos em que ela é inserida, ou seja, dependendo da situação. Intertextualidade acontece quando há uma referência explícita ou implícita de um texto em outro. Também pode ocorrer com outras formas além do texto, música, pintura, filme, novela etc. Toda vez que uma obra fizer alusão à outra ocorre a intertextualidade. São exemplos de obras intertextuais: alusão, conotação, versão, plágio, tradução, pastiche e paródia. 

Coerência Textual

Coerência textual possibilita o entendimento da mensagem transmitida no texto. Ela possibilita a concatenação das ideias do texto. O texto coerente transmite uma relação lógica de ideias que se complementam, não se contradizem e conferem significado à mensagem, possibilitando ao interlocutor apreender os sentidos do texto. Por isso, a falta de coerência afeta a significação do texto, prejudica a relação com o interlocutor, a continuidade dos sentidos e compreensão. Somada à coesão, a coerência tem como função a construção dos sentidos da textualidade.

Publicidade Institucional

Publicidade institucional é toda propaganda que não pretende aumentar os lucros de uma empresa, mas divulgar uma mensagem de cunho social, cultural ou cívico. O público-alvo é o interno em sua maioria, mas também o externo. Por serem assuntos muito ligados e com diferenças muito tênues: publicidade institucional, propaganda institucional e endomarketing. 

Redator Publicitário

Redator publicitário (copywriter) é o profissional de comunicação responsável pela criação do conteúdo das peças publicitárias. Copywriting é o conjunto de técnicas focadas em vendas e conversão. 

O redator é responsável pela autoria criativa de peças publicitárias e seus conteúdos. É responsável pelas palavras, termos, traços estilísticos, discurso, e tudo mais que se refere à linguagem empregada nas peças, de acordo com a temática eleita para a campanha. Além disso, uma das principais atribuições do redator publicitário é conceituar: criar e estabelecer a linha comunicativa que vai traduzir o conceito definido pela equipe de criação.

Enquadramento Noticioso (framing)

Enquadrar significa selecionar alguns aspectos de uma realidade percebida e fazê-los mais saliente em um texto comunicativo, de forma a promover uma definição particular do problema, uma interpretação causal, uma avaliação moral e (ou) uma recomendação de tratamento para o item escrito. De modo geral, o enquadramento diz respeito à forma como uma dada situação é apresentada e interpretada para e pelo interlocutor, determinando assim a sua capacidade de, frente ao acontecimento.

Jornalismo Hedonístico

O jornalismo emotivo ou hedonístico, suprido pela criatividade do gênero diversional, só adquire legitimidade no final do Século XX. Surge, no pós-guerra fria, como uma contingência jornalística, lutando para sobreviver num ambiente midiático dominado pelo entretenimento. A ascensão do show business contamina a produção informativa, induzindo ao resgate de certas formas de expressão que mimetizam os gêneros ficcionais, embora os relatos permaneçam ancorados na realidade.

Widgets Sociais

São aplicações criadas para uso dentro das redes sociais. O Facebook foi uma das primeiras redes sociais a usar a estratégia de permitir que terceiros desenvolvessem aplicações para sua rede social. Atualmente quase todas as redes e mídias sociais têm as chamadas APIs, que são bibliotecas de software que permitem o desenvolvimento de widgets que rodam dentro das redes sociais, nos perfis ou nas comunidades. 

Widgets Virais

Têm o objetivo de viralizar uma mensagem publicitária para que se espalhe pela internet. É desenvolvido seguindo os mesmos preceitos do marketing viral discutidos anteriormente, pois seu objetivo é ser difundido por meio das mesmas técnicas virais. Nesse caso, o widget deve ser de fácil uso e instalação e você deve permitir que seja indicado e divulgado de forma fácil. Os benefícios do widget devem ser claros e de fácil utilização, bem como deve ser inovador e atraente para que possa chamar a atenção dos consumidores

Buyer Persona

Persona ou buyer persona, conceito que se popularizou com o Inbound Marketing, é um perfil semi ficcional que representa o cliente ideal de uma empresa, criados para ajudar seu negócio a compreender melhor quem é o cliente e do que ele precisa. Buyer persona bem definidas tornam a estratégias de marketing mais efetivas e precisas. Uma boa persona, descreve com detalhes o seu comprador ideal, aquela pessoa perfeita para comprar o seu produto ou serviço.

Jornalismo de Dados

O Jornalismo de Dados (Data-Journalism), ou Jornalismo Guiado por Dados (Data-Driven Journalism) é o processo de obtenção, construção, filtragem, análise e apresentação de bases de dados, com o objetivo de gerar notícias. É prática derivada do Jornalismo de Precisão, proposto por Philip Meyer na década de 1970, e da Reportagem Assistida por Computador (RAC) ou Computer-Assisted Reporting (CAR). Por meio da coleta de dados, usando técnicas das ciências sociais, e da análise de bases de dados, busca introduzir elementos do método científico na rotina produtiva das notícias, o que, resultaria em maior objetividade e exatidão no noticiário.

Todos os direitos reservados (C) 2015 Comuniqueiro